UNIDAX participa da Conferência Técnica Mundial sobre Dynamics 365 em Seattle

A UNIDAX participou da Conferência Técnica Mundial sobre Dynamics 365! Juntamente com outros parceiros de diversos países e de, praticamente, todos os continentes, em Seattle, WA, entre os dias 12 e 15 de março, aprendemos e nos inspiramos ao interagir diretamente com os engenheiros da Microsoft, as pessoas que criaram o Dynamics 365 for Operations.

Na Conferência Técnica:

  • Mergulhamos profundamente no Dynamics 365 for Operations;
  • Compreendemos o Commom Data Model (mais conhecido como CDM);
  • Descobrimos o poder do Power BI e Cortana, que são incorporados nativamente;
  • E exploramos a profunda integração com o Office 365.

As sessões segmentadas lideradas pelos engenheiros da Microsoft forneceram o conhecimento necessário para criar e implantar o Dynamics 365 for Operations com êxito. Tivemos a oportunidade de interagir com colegas e engenheiros da Microsoft em todos os níveis, e isso nos deu a chance de obter acesso a informações e conhecimentos que raramente estão disponíveis aos demais profissionais! Nos sentimos preparados para oferecer aos nossos clientes a oportunidade de implantarem e usufruírem dessa fantástica solução, absolutamente integrada aos mais modernos conceitos de tecnologia e gestão, neste momento de profunda transformação digital.

Que venha a próxima!

Nós acreditamos. Sempre!

Conheça o campus da Microsoft, a ‘cidade’ onde trabalham 44 mil pessoas

Estamos em Redmond, nos Estados Unidos. O Olhar Digital viajou até aqui para conhecer de perto o campus da Microsoft onde se localiza a matriz da empresa. São 2 milhões de metros quadrados rodeados por árvores, com 125 prédios e 44 mil funcionários em toda a região – quase um terço do quadro global. É praticamente uma cidade inteira dentro de outra cidade – e que ainda está em expansão.

Fundada em 1975, a Microsoft mudou-se para Redmond em 1986, um ano depois da apresentação do Windows. O mercado de computação pessoal, hoje tão difundido, ainda era uma promessa. Cinco anos antes, a IBM havia lançado o PC 5150 (considerado precursor da indústria) e que rodava um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Começava para valer ali a era do PC, que viria a empregar muita gente nas décadas seguintes.

Os primeiros prédios do campus da Microsoft foram construídos no formato de X a pedido de Bill Gates, fundador e CEO da empresa à época. Além de gostar de construções simétricas, Gates queria incluir o maior número possível de janelas para que os programadores tivessem uma vista privilegiada da natureza enquanto trabalhavam. Curiosidade: o prédio número 7 não existe. Ele foi descartado porque a empresa cresceu mais que o esperado naquele período e precisou de mais edifícios para abrigar as pessoas. Como o plano de construção já havia sido aprovado, não deu tempo de renomear o prédio 8 por 7.

No infográfico abaixo você confere alguns números que dão a dimensão da grandiosidade do campus em Redmond. Nós também selecionamos imagens que mostram as instalações do local (veja galeria abaixo do infográfico) Ficou curioso para conhecer o campus? Ele é aberto e a Microsoft reserva uma área especial para visitação no prédio 92 destinada a quem quiser interagir com os produtos da empresa e ver de perto relíquias como o computador pessoal Altair 8800. Basta ir até lá e entrar no espaço gratuitamente.

Reprodução

Imagens do campus da Microsoft, em Redmond, EUA:

Fonte: Olhar Digital

6 coisas que você gostará de saber sobre o novo Microsoft Dynamics AX

6) Foram feitas mudanças mínimas na aplicação para o primeiro lançamento desta nova plataforma. A versão inicial já encontra-se centralizada na nova plataforma tecnológica e teve poucas alterações em relação à versão atual AX 2012 R3. Isso significa que os clientes que estão nessa versão terão muita facilidade para mudar para a nova versão. Isso também significa que todas as soluções de ISV, que são compatíveis com o AX 2012 R3, migrarão para o novo AX facilmente.

5) O runtime é todo em .NET. Não há mais um interpretador X++. Isso faz com que a execução do código seja muito mais rápida e permite uma suave interoperabilidade com outras linguagens .NET.

4) O ambiente de desenvolvimento inteiro está agora unificado no Visual Studio. É isso mesmo, todo o poder do MorphX está agora disponível dentro do Visual Studio. Você pode tirar proveito de projetos do Visual Studio, misturar desenvolvimento tradicional X++ com outras linguagens, tirar proveito do TFS para controle de versão e etc.

3) Fornecimento de nuvem permite operações confiáveis. A Microsoft tem investido bilhões de dólares em centros de dados Azure e o novo AX permite tirar o máximo partido desse investimento. Alta disponibilidade e implantação a tolerância de desastres e falhas vão se tornar norma. Não há mais a necessidade de levantamento de quantos servidores comprar e pode-se montar o próprio plano para recuperação de desastres. A implantação pode flexionar para cima e para baixo o número de servidores de aplicativos em uso para atender às suas necessidades de pico.

2) O aplicativo inteiro está agora acessível através do browser. O novo cliente HTML/JavaScript substitui o cliente Windows e o Enterprise Portal. Isso significa que tudo está disponível através do browser. Sem mais clientes para instalar ou gerenciar. Nenhum terminal services ou Citrix para administrar.

1) A integração perfeita do Life Cycle Services vai ser uma parte importante do novo AX. O LCS tem evoluído rapidamente desde seu lançamento inicial para se tornar uma parte essencial de cada aplicação AX e uma parte importante do cuidado contínuo e alimentação de uma instância em execução do AX. Sendo a implantação inicial do sistema, ajuste de desempenho, análise de código ou modelagem de processos de negócios, o LCS é o conjunto de ferramentas que potencializa e ajuda a extrair o máximo da capacidade do AX. A integração do LCS com o novo AX está fantástica!

Fonte: Blog do AX

Lançamento Mundial do ERP Microsoft Dynamics AX

REDMOND, Wash – 09 de março de 2016 – A Microsoft anunciou na quarta-feira sua solução ERP de última geração na nuvem, o Microsoft Dynamics AX, construída sobre e para o Microsoft Azure, está agora disponível em 137 mercados em 40 idiomas. O aplicativo de negócios de classe empresarial traz o poder, velocidade e inteligência da computação em nuvem para as pessoas e organizações alcançarem mais.

Os clientes de todo o mundo estão usando a nuvem de maneiras incríveis para acelerar e transformar seus negócios“, disse Scott Guthrie, vice-presidente executivo, da Microsoft Cloud e Empresa. “O lançamento de hoje é um marco emocionante para estender ofertas de nuvem empresarial da Microsoft. Agora é possível para as organizações executar todo o seu negócio na nuvem com a Microsoft – desde produtividade com o Office 365, até análise de negócios com Power BI e Cortana Analytics Suite, o envolvimento do cliente com o Dynamics CRM e operações de negócios com Dynamics AX“.

Os clientes em todo o mundo já estão usando Dynamics AX para executar seus processos de negócio na nuvem – a partir de domínios individuais, como recursos humanos e de fabricação para negócios “end-to-end”. As empresas já em produção incluem Hagler Systems, Haldex, Icon, Renault Sport Formula One Team, Priva, Smiles, Travel Alberta e Grupo Umbra.

O novo Dynamics AX vai além de soluções de negócios tradicionais e traz ERP, business intelligence, infraestrutura e serviços de banco de dados em conjunto em uma única oferta, fortalecendo as empresas para executar processos específicos da indústria e de negócios operacionais que são extensíveis com soluções específicas de parceiros. Quarta-feira, a Microsoft anunciou soluções de mais de 50 ISVs que estão disponíveis no Azure Marketplace. Estas soluções verticais ajudam os clientes a descobrirem e implementarem a solução que eles precisam mais rápido do que nunca e, com o Dynamics AX, permitir rapidamente atualizações e melhorias. Além das mais de 50 soluções já disponíveis, centenas estão em desenvolvimento hoje.

O novo Dynamics AX leva as capacidades do Lifecycle Services (LCS) para o próximo nível. As empresas serão capazes de combinar as melhores práticas para seus aplicativos de missão crítica com a flexibilidade e simplicidade de atualização por meio da nuvem. Com LCS, Dynamics AX irá formalizar os conceitos de desenvolvimento, teste e produção, tornando a atualização mais rápida de implantar e fácil de gerenciar.

“O Lifecycle Services representa uma mudança na forma como as empresas gerenciarão o ciclo de vida de um sistema ERP de uma forma que nunca foi realmente feito antes”, disse Josh Greenbaum, analista principal da Enterprise Application Consulting. “A capacidade de testar na nuvem e usar a elasticidade natural da nuvem e funcionalidade para fazer o teste, virar uma chave e colocá-lo no ambiente de produção real, realmente é mágico“.

Aproveitando o poder da nuvem Azure, o Dynamics AX fornece segurança ampliada, juntamente com a disponibilidade e escala global, permitindo que empresas e pessoas trabalhem de forma mais segura em qualquer lugar, a qualquer hora, respeitando as exigências de soberania de dados de clientes globais, não importa onde no mundo eles operam.

Nós fazemos tudo através Dynamics AX agora; gerimos praticamente todas as nossas operações“, disse Thomas Mayer, escritório de operações da Renault Sport Formula One Team. “Ter o que eu preciso para executar o meu negócio disponível em qualquer lugar do mundo é inestimável“.

Estamos trazendo enormes quantidades de dados em nosso negócio para ajudar a construir climas e controlar ambientes de horticultura. Essa é uma transformação do negócio enorme, e a nuvem era o único caminho a seguir para que tornássemos real“, disse Paul Ossewold, vice-presidente de operações digitais da Priva. “Para gerir a nossa empresa com 10 escritórios em todo o mundo, precisamos de sistemas que são rápidos. Isso é o que Dynamics AX na nuvem está nos dando, e nós não poderíamos estar mais animados para ser um dos primeiros clientes a bordo de aproveitar esta nova solução“.

Solução moderna para as empresas modernas

Dynamics AX oferece uma interface de usuário simples, bonita e moderna, que é para os dispositivos sensíveis ao toque. As pessoas podem interagir com o sistema com facilidade, porque o Dynamics AX funciona como outros aplicativos da Microsoft que as pessoas utilizam hoje, aumentando a adoção e uso. A nova experiência de usuário inteligente também é otimizada para oferecer valor para as organizações através da capacidade de tomar decisões mais inteligentes com o aumento da velocidade.

ERP é fundamental para nossas operações comerciais e fundamental para a construção e entrega de produtos aos nossos clientes“, disse Ben Hagler, co-fundador, Sistemas Hagler. “Escolhemos Dynamics AX devido à sua robustez. A interface é incrível e disponível em qualquer lugar. Ela nos torna independente do dispositivo. Nós podemos trabalhar de todos os lugares com o aumento da velocidade“.

Dynamics AX oferece a lógica de negócio comprovada por um conjunto de negócios completo, reforçada com novas construções, como espaços de trabalho que fornecem um portal colaborativo para unificar indicadores chave de desempenho, inteligência de negócios, pontos de vista de dados críticos, processos e ações para a produtividade do usuário. O workspace de Fechamento de Período, por exemplo, simplifica muito esse processo crítico e complexo.

Fornecedores de software que fazem parceria com Microsoft manifestaram o seu entusiasmo sobre o potencial que esta nova solução oferece à indústria, o que representa um ponto de mudança na indústria de ERP como soluções de nuvem são adotadas por clientes para executar suas operações críticas de negócios.

Este lançamento é mais uma prova de que a Microsoft não está somente conduzindo as inovações no ERP, mas em nuvem“, disse o CEO Peter ter Maaten do parceiro Microsoft HSO. “Dynamics AX será um divisor de águas para os clientes corporativos“.

Os clientes podem se inscrever para o serviço hoje como a nova versão está disponível como uma assinatura mensal em três versões simples que incluem um usuário self-service, um usuário de tarefas e um usuário enterprise. As empresas podem se mover rapidamente e combinar seu crescimento de negócio facilmente adicionando processos de negócios e usuários com este simples e transparente modelo de “pagar-para-usar”.

Mais informações podem ser encontradas visitando o site do Dynamics AX (https://www.microsoft.com/en-us/dynamics/erp-ax-overview.aspx).

Fonte: http://news.microsoft.com/2016/03/09/microsoft-delivers-enterprise-class-erp-to-the-cloud/

Nuvem e aplicações: o fim do caos

O WhatsApp é uma aplicação. O Microsoft Office 365 é uma aplicação. O sistema por trás de seu portal de e-commerce favorito é uma aplicação. O Internet Banking só substitui a ida à agência bancária porque também é uma aplicação, e muito bem construída. A vida de pessoas e de empresas acontece dentro de aplicações. Nos últimos 10 anos o ritmo de desenvolvimento de aplicações acelerou-se muito. A Apple Store norte-americana recebe, em média, 20 mil novos apps a cada mês. No Reino Unido, 701 novas aplicações entram em operação a cada dia. Quer sejam acessadas por dispositivos móveis ou por computadores tradicionais, as principais aplicações do mercado habitam, hoje, a nuvem. Não só as aplicações são desenvolvidas na nuvem como são processadas em servidores espalhados na nuvem e distribuídas a partir de infraestrutura de rede que também está na nuvem. Qual o desafio que este novo mundo das aplicações na nuvem traz? O controle sobre o acesso a essas aplicações.

Hoje a nuvem acolhe milhões de aplicações que não estão ordenadas, classificadas e tampouco têm seu acesso controlado. As aplicações estão na nuvem, e o caos também.

Foi-se o tempo em que, numa empresa, um setor solicitava o desenvolvimento de uma aplicação para resolver um determinado desafio e conformava-se em aguardar meses ou até anos para começar a operar o novo sistema. A velocidade da nuvem é a velocidade do desejo humano – o que o usuário buscar na nuvem, ele encontrará e usará.

É famoso o paradoxo colocado às áreas de TIC das empresas pelo serviço de armazenamento na rede Dropbox. Não são os gestores que indicam o Dropbox para seus usuários, controlam o registro deste usuário na base de dados do Dropbox, examinam o tamanho de sua caixa postal virtual e o que é guardado lá dentro. Um usuário sugere o Dropbox para outro e, em instantes, dados e documentos da corporação deixam de ser arquivados em sistemas próprios para estarem disponíveis na nuvem, numa aplicação de armazenamento que não passou pelo crivo da área de TI.

A verdade é que muitos gestores não têm visibilidade sobre que aplicações seus usuários estão utilizando. Outro valor que está em falta na política corporativa de aplicações na nuvem é o “compliance” – a certeza de que os sistemas empregados pelos usuários estão alinhados com as leis, padrões e os regulamentos que regem aquela empresa ou vertical em especial. Há uma grande ausência, também, de políticas e recursos de segurança de dados. No novo mundo das aplicações na nuvem é fundamental proteger esses sistemas contra ameaças, ações destruidoras de cibercriminosos que visam ganhar dinheiro ou poder político ou moral a partir do acesso e manipulação das informações processadas na nuvem.

O caos das aplicações rodando na nuvem é fonte de grandes preocupações para as empresas e seus gestores de TIC.

Não há, porém, como voltar atrás. A nuvem é uma realidade. Ela é formada em parte por aplicações que rodam na rede privada da corporação e em parte por aplicações “públicas” que seguirão sendo usadas pelos funcionários. É o caso, por exemplo, do WhatsApp, febre entre usuários de smartphones. As empresas usuárias não vão retroceder e retirar suas aplicações da nuvem. Os próprios fornecedores de software tomaram a frente desse movimento e não vão voltar ao passado. Microsoft, SAP, Oracle e SalesForce, entre outros líderes da empresa de software, optaram por transformar suas aplicações em serviços a serem contratados de modo pontual e mensalizado. O acesso 24x7x365 a partir de “n” dispositivos a essas e outras aplicações na nuvem continuará a crescer e ser essencial aos processos de negócios.

A nuvem é cada vez mais o modelo onde as aplicações missão crítica são processadas.

Para adicionar controle, segurança, consistência, visibilidade e compliance a esse modelo foi criada a segunda onda da computação em nuvem – o CASB. Toda vez que você se preocupar com o caos das aplicações rodando na nuvem, aprofunde seu conhecimento sobre o CASB (Cloud Access Security Broker, agente de segurança de acesso à nuvem) e encontrará consolo. Como disse Carl Jung, dentro da desordem existe a ordem. Basta localizar o fio da meada.

As soluções de CASB começam pelo descobrimento de quais aplicações corporativas estão sendo efetivamente usadas pelos funcionários da empresa. Os melhores engines de discovery irão penetrar na Shadow IT – o universo de provedores de serviços e sistemas que não seguem as melhores práticas do mercado – e cuidadosamente mapear que recursos deste mundo estão sendo usados no dia a dia da corporação. Essa fase de descobrimento costuma provocar grandes surpresas entre os gestores de TIC.

Após esta etapa a solução de CASB classifica, a partir de inteligentes regras de negócio, de compliance e segurança, que aplicações seguirão disponíveis, que aplicações serão bloqueadas. A classificação é muito detalhada e chega ao nível do campo de dados da aplicação – José pode ver e alterar este dado, Manuel nem sequer enxergará este campo.

A terceira área de atuação das melhores ferramentas CASB é centralizar o gerenciamento das aplicações na nuvem. Neste momento o papel de Broker/Mediador do CASB aparece de modo muito claro. O gerenciamento das aplicações na nuvem é uma missão e tanto, já que cada aplicação corporativa tem sua própria nuvem. O Microsoft Office 365 tem sua própria nuvem. O SalesForce tem sua própria nuvem. A solução CASB coloca ordem no caos, e alinha as várias nuvens de aplicações, quaisquer que sejam elas, à política da corporação usuária.

Com o CASB, migrar as aplicações para a nuvem torna-se uma caminhada clara, perfeitamente mapeada, feita à luz do dia.

É importante lembrar que o CASB é um conceito consolidado pelo instituto de pesquisa Gartner. Tendência que está sendo gestada desde 2012, o CASB é uma bandeira cada vez mais difundida pelo Gartner. Os mais recentes relatórios sobre o tema dizem que se em 2012 apenas 1% das empresas usavam o CASB para colocar ordem no caos das aplicações rodando na nuvem, até o final de 2016 essa marca deve chegar a 25%. A razão para isso é muito simples: a visibilidade, compliance, segurança de dados e proteção contra ameaças que o CASB garante às aplicações na nuvem é essencial para o dia a dia das corporações. Com o CASB, o caos sai de cena e a nuvem entra em ordem.

Fonte: http://www.mobiletime.com.br/