6 coisas que você gostará de saber sobre o novo Microsoft Dynamics AX

6) Foram feitas mudanças mínimas na aplicação para o primeiro lançamento desta nova plataforma. A versão inicial já encontra-se centralizada na nova plataforma tecnológica e teve poucas alterações em relação à versão atual AX 2012 R3. Isso significa que os clientes que estão nessa versão terão muita facilidade para mudar para a nova versão. Isso também significa que todas as soluções de ISV, que são compatíveis com o AX 2012 R3, migrarão para o novo AX facilmente.

5) O runtime é todo em .NET. Não há mais um interpretador X++. Isso faz com que a execução do código seja muito mais rápida e permite uma suave interoperabilidade com outras linguagens .NET.

4) O ambiente de desenvolvimento inteiro está agora unificado no Visual Studio. É isso mesmo, todo o poder do MorphX está agora disponível dentro do Visual Studio. Você pode tirar proveito de projetos do Visual Studio, misturar desenvolvimento tradicional X++ com outras linguagens, tirar proveito do TFS para controle de versão e etc.

3) Fornecimento de nuvem permite operações confiáveis. A Microsoft tem investido bilhões de dólares em centros de dados Azure e o novo AX permite tirar o máximo partido desse investimento. Alta disponibilidade e implantação a tolerância de desastres e falhas vão se tornar norma. Não há mais a necessidade de levantamento de quantos servidores comprar e pode-se montar o próprio plano para recuperação de desastres. A implantação pode flexionar para cima e para baixo o número de servidores de aplicativos em uso para atender às suas necessidades de pico.

2) O aplicativo inteiro está agora acessível através do browser. O novo cliente HTML/JavaScript substitui o cliente Windows e o Enterprise Portal. Isso significa que tudo está disponível através do browser. Sem mais clientes para instalar ou gerenciar. Nenhum terminal services ou Citrix para administrar.

1) A integração perfeita do Life Cycle Services vai ser uma parte importante do novo AX. O LCS tem evoluído rapidamente desde seu lançamento inicial para se tornar uma parte essencial de cada aplicação AX e uma parte importante do cuidado contínuo e alimentação de uma instância em execução do AX. Sendo a implantação inicial do sistema, ajuste de desempenho, análise de código ou modelagem de processos de negócios, o LCS é o conjunto de ferramentas que potencializa e ajuda a extrair o máximo da capacidade do AX. A integração do LCS com o novo AX está fantástica!

Fonte: Blog do AX

Lançamento Mundial do ERP Microsoft Dynamics AX

REDMOND, Wash – 09 de março de 2016 – A Microsoft anunciou na quarta-feira sua solução ERP de última geração na nuvem, o Microsoft Dynamics AX, construída sobre e para o Microsoft Azure, está agora disponível em 137 mercados em 40 idiomas. O aplicativo de negócios de classe empresarial traz o poder, velocidade e inteligência da computação em nuvem para as pessoas e organizações alcançarem mais.

Os clientes de todo o mundo estão usando a nuvem de maneiras incríveis para acelerar e transformar seus negócios“, disse Scott Guthrie, vice-presidente executivo, da Microsoft Cloud e Empresa. “O lançamento de hoje é um marco emocionante para estender ofertas de nuvem empresarial da Microsoft. Agora é possível para as organizações executar todo o seu negócio na nuvem com a Microsoft – desde produtividade com o Office 365, até análise de negócios com Power BI e Cortana Analytics Suite, o envolvimento do cliente com o Dynamics CRM e operações de negócios com Dynamics AX“.

Os clientes em todo o mundo já estão usando Dynamics AX para executar seus processos de negócio na nuvem – a partir de domínios individuais, como recursos humanos e de fabricação para negócios “end-to-end”. As empresas já em produção incluem Hagler Systems, Haldex, Icon, Renault Sport Formula One Team, Priva, Smiles, Travel Alberta e Grupo Umbra.

O novo Dynamics AX vai além de soluções de negócios tradicionais e traz ERP, business intelligence, infraestrutura e serviços de banco de dados em conjunto em uma única oferta, fortalecendo as empresas para executar processos específicos da indústria e de negócios operacionais que são extensíveis com soluções específicas de parceiros. Quarta-feira, a Microsoft anunciou soluções de mais de 50 ISVs que estão disponíveis no Azure Marketplace. Estas soluções verticais ajudam os clientes a descobrirem e implementarem a solução que eles precisam mais rápido do que nunca e, com o Dynamics AX, permitir rapidamente atualizações e melhorias. Além das mais de 50 soluções já disponíveis, centenas estão em desenvolvimento hoje.

O novo Dynamics AX leva as capacidades do Lifecycle Services (LCS) para o próximo nível. As empresas serão capazes de combinar as melhores práticas para seus aplicativos de missão crítica com a flexibilidade e simplicidade de atualização por meio da nuvem. Com LCS, Dynamics AX irá formalizar os conceitos de desenvolvimento, teste e produção, tornando a atualização mais rápida de implantar e fácil de gerenciar.

“O Lifecycle Services representa uma mudança na forma como as empresas gerenciarão o ciclo de vida de um sistema ERP de uma forma que nunca foi realmente feito antes”, disse Josh Greenbaum, analista principal da Enterprise Application Consulting. “A capacidade de testar na nuvem e usar a elasticidade natural da nuvem e funcionalidade para fazer o teste, virar uma chave e colocá-lo no ambiente de produção real, realmente é mágico“.

Aproveitando o poder da nuvem Azure, o Dynamics AX fornece segurança ampliada, juntamente com a disponibilidade e escala global, permitindo que empresas e pessoas trabalhem de forma mais segura em qualquer lugar, a qualquer hora, respeitando as exigências de soberania de dados de clientes globais, não importa onde no mundo eles operam.

Nós fazemos tudo através Dynamics AX agora; gerimos praticamente todas as nossas operações“, disse Thomas Mayer, escritório de operações da Renault Sport Formula One Team. “Ter o que eu preciso para executar o meu negócio disponível em qualquer lugar do mundo é inestimável“.

Estamos trazendo enormes quantidades de dados em nosso negócio para ajudar a construir climas e controlar ambientes de horticultura. Essa é uma transformação do negócio enorme, e a nuvem era o único caminho a seguir para que tornássemos real“, disse Paul Ossewold, vice-presidente de operações digitais da Priva. “Para gerir a nossa empresa com 10 escritórios em todo o mundo, precisamos de sistemas que são rápidos. Isso é o que Dynamics AX na nuvem está nos dando, e nós não poderíamos estar mais animados para ser um dos primeiros clientes a bordo de aproveitar esta nova solução“.

Solução moderna para as empresas modernas

Dynamics AX oferece uma interface de usuário simples, bonita e moderna, que é para os dispositivos sensíveis ao toque. As pessoas podem interagir com o sistema com facilidade, porque o Dynamics AX funciona como outros aplicativos da Microsoft que as pessoas utilizam hoje, aumentando a adoção e uso. A nova experiência de usuário inteligente também é otimizada para oferecer valor para as organizações através da capacidade de tomar decisões mais inteligentes com o aumento da velocidade.

ERP é fundamental para nossas operações comerciais e fundamental para a construção e entrega de produtos aos nossos clientes“, disse Ben Hagler, co-fundador, Sistemas Hagler. “Escolhemos Dynamics AX devido à sua robustez. A interface é incrível e disponível em qualquer lugar. Ela nos torna independente do dispositivo. Nós podemos trabalhar de todos os lugares com o aumento da velocidade“.

Dynamics AX oferece a lógica de negócio comprovada por um conjunto de negócios completo, reforçada com novas construções, como espaços de trabalho que fornecem um portal colaborativo para unificar indicadores chave de desempenho, inteligência de negócios, pontos de vista de dados críticos, processos e ações para a produtividade do usuário. O workspace de Fechamento de Período, por exemplo, simplifica muito esse processo crítico e complexo.

Fornecedores de software que fazem parceria com Microsoft manifestaram o seu entusiasmo sobre o potencial que esta nova solução oferece à indústria, o que representa um ponto de mudança na indústria de ERP como soluções de nuvem são adotadas por clientes para executar suas operações críticas de negócios.

Este lançamento é mais uma prova de que a Microsoft não está somente conduzindo as inovações no ERP, mas em nuvem“, disse o CEO Peter ter Maaten do parceiro Microsoft HSO. “Dynamics AX será um divisor de águas para os clientes corporativos“.

Os clientes podem se inscrever para o serviço hoje como a nova versão está disponível como uma assinatura mensal em três versões simples que incluem um usuário self-service, um usuário de tarefas e um usuário enterprise. As empresas podem se mover rapidamente e combinar seu crescimento de negócio facilmente adicionando processos de negócios e usuários com este simples e transparente modelo de “pagar-para-usar”.

Mais informações podem ser encontradas visitando o site do Dynamics AX (https://www.microsoft.com/en-us/dynamics/erp-ax-overview.aspx).

Fonte: http://news.microsoft.com/2016/03/09/microsoft-delivers-enterprise-class-erp-to-the-cloud/

ERP na nuvem: como decidir pela mudança

Os sistemas de gestão empresarial (conhecidos como ERP) estão entre os mais relevantes tópicos dos negócios da atualidade pelo fato de conectarem as organizações com fontes de dados e processos estratégicos a fim de mantê-la competitiva. O outro lado da moeda, entretanto, é que eles podem dificultar a inovação e prejudicam a agilidade.

Nos tempos modernos, que predominam as transformações digitais e nuvem, os usuários de ERP enfrentam um dilema: a difícil decisão entre abandonar seu sistema de tradicional e migrar para a nuvem, ou manter tudo como está.

As dúvidas são comuns entre os tomadores de decisões. Seguir adiante em busca de inovações com melhores extensões? Ou começar novamente, criando uma nova arquitetura para as principais iniciativas no mundo digital? Independentemente da decisão, estas opções terão um impacto em cada empresa, de acordo com sua estratégia de mercado.

Como definir o melhor caminho? Ainda que dependa de diversos fatores, sendo que um deles se destaca. Trata-se da velocidade das mudanças – tanto da sua própria empresa, quanto do setor em que atua .

Essas ambições exigem mudanças rápidas no modelo e a opção é clara: começar imediatamente a construir uma nova arquitetura. Por outro lado, se seus negócios são estáveis e a a principal necessidade é a eficiência operacional, não é problema continuar no modelo tradicional um pouco mais.

As empresas que atuam nos setores de telecomunicações, bancos, hotelaria, saúde, educação, tecnologia e varejo – todas afetadas pelas inovações digitais – devem mudar com rapidez. O sucesso ou a sobrevivência requerem transformações essenciais para apoiar novos consumidores, canais, serviços, modelos de faturamento, KPIs,…… E, os sistemas e processos de hoje são um obstáculo para esse movimento.

Mas nem sempre a mudança é conduzida por fatores externos. Alguns requisitos internos podem influenciar os modelos de negócios de certas indústrias adjacentes, como por exemplo, as empresas de telecomunicações estão se movendo para o setor de segurança para o lar com serviços de monitoramento). Nesses casos, existem duas opções: a renovação do ERP com novas divisões ou existentes – modernização divisional do ERP no modelo apresentado anteriormente – ou iniciar uma transformação mais ampla com uma renovação completa de sistemas e processos.

O melhor caminho depende da capacidade que a empresa tem para mudar. Se a sua cultura e seus líderes são abertos às mudanças, você deveria realizá-la em sua essência, pois é a trilha mais ágil para acelerar a transformação em escala.

Por outro lado, empresas de setores relativamente estáveis – serviços, produtos químicos, setor público e de manufatura, por exemplo, podem conduzir esse processo por meio de melhorias progressivas. Para tanto, o mais simples é a evolução do ERP. É possível otimizar seus investimentos com a redução de custos específicos (excelência operacional, no modelo anterior) ou realizar melhorias na entrega comercial, com extensões otimizadas (inovação no limite). Em muitos casos, ambas deverão ser realizadas. A estratégia é aproveitar os ativos e obter lucros incrementais em termos de redução de custos.

Para as empresas que optam por uma renovação completa, a solução de ERP em nuvem oferece uma plataforma ágil, início rápido, avanços na gestão, redução de custos e relatórios e análises aprimoradas. Por experiência, a melhor abordagem é mudar os processos atuais para a nuvem, passo a passo, em sequências rápidas de 90 dias.

As empresas que optarem pela otimização de seus sistemas, existe a possibilidade de ampliar as principais capacidades ERP locais com extensões de alto valor, como aplicativos avançados de relatórios, planejamento e orçamento, suprimento, gestão de talentos e outras. Este modelo híbrido ajuda a alcançar o mais baixo custo de propriedade por meio dos serviços gerenciados na nuvem e infraestrutura convergente.

Em resumo: a mudança não está chegando, ela já chegou.

Fonte: http://www.baguete.com.br/

O Design Empático e seu impacto no sucesso das implantações de ERP

Um sistema de gestão empresarial (ERP) extremamente robusto, com tecnologias avançadas para atender às necessidades de negócios das empresas oferecendo recursos que contemplam desde o Planejamento Estratégico, o acompanhamento de seus indicadores, metas, planos de ações, envolvendo conceitos simples aos mais avançados da administração, todos os processos internos do dia a dia empresarial, configurações complexas para atender as exigências fiscais e contábeis, integrando informações de diferentes áreas e transformando dados em inteligência que serão fundamentais para a tomada de decisão do gestor, tudo isso com acesso no seu celular ou tablet, nas nuvens.

Um carro de luxo, último lançamento do mercado automobilístico, motor híbrido diferenciado, piloto automático adaptativo que reduz a velocidade quando surge um carro à sua frente, alerta de piloto fatigado, controle de faixa que não deixa o carro sair da pista, assistente de estacionamento que estaciona sozinho, bancos e retrovisores programáveis para vários pilotos, alerta de veículo no ponto cego, acionamento de farol alto automaticamente na rodovia, sensores anti impacto, GPS, comandos de voz, sensor de presença, e com um painel repleto de botões com diversas funcionalidades inovadoras, que muitas vezes nem imaginamos existirem, e, muito menos como usá-las.

O que essas duas situações têm em comum? Tudo. Para uma implantação de ERP ser bem sucedida e para um motorista ficar plenamente satisfeito com a aquisição de um novo veículo é necessário ir muito além, pois mesmo com todos esses atrativos, se o usuário não estiver motivado a explorar essas opções e saber utilizá-las, o investimento poderá ser em vão.

É aí que entra o Design Empático, uma abordagem de design centrada no usuário, que prioriza seus sentimentos em relação ao produto. Esse paralelo com a indústria automobilística serve para mostrar o impacto dessa nova visão no mercado de software. A partir dela, os desenvolvedores devem se colocar no lugar do usuário e imaginar o jeito mais fácil, confortável e rápido de utilizar o produto e, que principalmente, priorize a harmonia, a simplicidade e a intuição.

A simplicidade embutida no conceito, torna a ferramenta mais útil e aplicável no dia a dia. Além disso, o usuário passa a aplicar conhecimentos mais avançados em situações em que eles não seriam utilizados, gerando processos de gestão mais estruturados e baseados nos fundamentos da administração. Os clientes também conseguem reduzir investimentos, tanto em treinamentos de equipe, como em consultoria, tendo como consequência uma maior autonomia e independência do fornecedor do ERP.

Processos internos que, por natureza, já têm seu grau de complexidade como o mapeamento de estocagem em um armazém, a configuração dos impostos dos produtos, ou a visualização de um gráfico de Margem de Contribuição, que trazem consigo conceitos, podem se tornar mais “amigáveis” para os usuários por meio do Design Empático. Ele permite aos clientes visualizarem a informação de maneira mais didática, com um visual mais simples e intuitivo, que não requer um amplo conhecimento de quem está utilizando, ou melhor, que transfira esse conhecimento necessário através do design.

O fato é que, no mercado de sistemas de gestão, este princípio ainda tem sido pouco explorado. De certa forma, todos se preocupam com a usabilidade, mas não tão profundamente. A maior preocupação dos desenvolvedores, até aqui, tem sido garantir sua funcionalidade. Mas isso está mudando: funcionar bem está se tornando commoditie e o foco está migrando para o usuário, para que a interface seja mais amigável.

Por isso o que vemos hoje são telas e telas de sistemas que ainda têm muito a evoluir. Por exemplo, um gráfico de Ciclo Financeiro desenvolvido a partir do Design Empático evita que o usuário tenha que fazer uma faculdade de administração para entender o que é prazo médio de estocagem, de recebimento ou de pagamento, ao mesmo tempo que traz informações importantes para a sua tomada de decisão como a Necessidade de Capital de Giro.

Muita gente não percebe, mas o Design Empático é primordial para ampliar a utilização do seu produto, seja ele qual for, pois muitas vezes ele representa a diferença entre seu cliente usar ou não usar certas funcionalidades. Quantas vezes as pessoas deixam de usar recursos tecnológicos de aparelhos eletrônicos e carros por não saberem como usar ou por nem sequer saberem que existem? É interessante poder contar com um sistema que atenda as necessidades de gestão, mas, tão importante quanto, é facilitar sua leitura e permitir que seu cliente entenda facilmente os conceitos que ele precisa usar e que seu produto pode oferecer, e claro, seus benefícios.

Como diz a frase de Charles Mingus que ficou conhecido pelo seu ativismo contra a injustiça racial: “Tornar o simples complicado é fácil. Tornar o complicado simples, isso é criatividade”. Então vamos ser mais criativos para garantir o sucesso nas implementações de ERP!

Fonte: http://convergecom.com.br/tiinside/services/