2016, o ano do software

A tecnologia da informação no formato em que conhecemos hoje está morta. O que antes era apenas uma missão para “manter as luzes acesas” evoluiu para a necessidade de engajar e fidelizar clientes. E, cada vez mais, para que uma empresa se beneficie da nova tecnologia da informação, precisa investir em software.

Com o software agora posicionado no centro do negócio, organizações estão se transformando digitalmente no sentido de adotar práticas ágeis e novas tecnologias que entreguem inovações ao mercado de maneira rápida e segura. Desta forma, conseguem fazer com que seus clientes estejam sempre por perto, desejando novos produtos e soluções.

Mas quais são os principais desafios para que estas organizações comecem esse processo de transformação digital em 2016?

  1. Para desenvolvimento flexível e em escala, invista em containers

O ano de 2016 verá pelo menos um sonho de décadas tornar-se realidade – a criação de um fluxo de desenvolvimento baseado em componentes, ligado a práticas ágeis e contínuas de desenvolvimento, permitindo que organizações se transformem num ritmo mais acelerado do que nunca.

O foco será nos serviços menores, que poderão ser implantados independentemente, entregando novos recursos de maneira contínua. Os dias de espera para a revisão de aplicativos inteiros estão acabados.

Microsserviços e containers (tecnologia que permite executar processos e testes de maneira isolada, com segurança e estabilidade) proporcionarão maior poder de flexibilidade e escala no processo de desenvolvimento. As duas tecnologias transformarão a maneira com que desenvolvedores constroem, implantam e atualizam aplicativos e acelerarão a necessidade de que práticas ágeis fiquem à frente das mudanças no mercado e das exigências dos clientes.

  1. “Segurança ágil” entra em campo

Segurança não pode mais ser uma reflexão tardia. Tem que ser preparada sob todos os aspectos do design de aplicativos, desenvolvimento e implantação.

A aceleração dos ciclos de desenvolvimento de softwares faz com que a segurança tenha que estar na base de qualquer projeto ou processo de desenvolvimento.

Para 2016, todos os caminhos levam à ideia emergente de “segurança ágil”. Trazer segurança mais cedo ao processo, junto à metodologia DevOps e a práticas ágeis, adiciona o imprescindível terceiro pilar ao desenvolvimento de software em escala e alta velocidade.

  1. Analytics por todas as partes ditarão o valor do cliente

Com o passar dos anos, os analytics evoluíram de inteligência de negócios para transacional e big data. A partir de agora, análises em tempo real que elevam a experiência do cliente na medida em que ligam previsões a ações prescritivas se tornarão praxe.

Em 2016 nós entraremos em uma era na qual o fator demográfico permitirá às organizações personalizar serviços, definir preços, vendas e produtos em tempo real para o indivíduo. Com os analytics, levaremos melhores experiências ao cliente, na medida em que colocamos a segurança que protege os consumidores como pano de fundo. Novas técnicas de análises usarão padrões de comportamento e o aprendizado das máquinas para separar clientes reais de fraudadores e proporcionarão transações e experiências com menos costuras.

  1. Internet das coisas: do reino das possibilidades interessantes ao mundo da aplicação real

Ainda que a internet das coisas, um elemento da transformação digital, seja uma tecnologia de alto potencial, podemos dizer que ela ainda engatinha. Analytics e segurança seguram a chave para abrir a porta que agregará mais valor aos consumidores.

As particularidades inerentes ao mundo da internet das coisas criam mais vulnerabilidades e pontos de ataque do que nunca e aumentam as chances de conflito. Conceitualmente, a internet das coisas é aquela elegante nova onda que todos querem surfar, mas abaixo da superfície há um terreno cheio de complexidades que precisam ser acessadas e entendidas.

Na medida em que a internet das coisas chega ao mainstream, a “identidade das coisas” passará a ser fundamental. Da mesma maneira que a identidade de uma pessoa precisa ser autenticada, a “identidade” de um dispositivo e qualquer fluxo de dados que chegue a ele também precisam ser confirmados e definidos como confiáveis.

Ferramentas como identidade e gerenciamento de acesso (IAM) para internet das coisas e tabelas de interação são necessárias para assegurar que estamos engajados com as “coisas certas” e elas não estão conflitando, anulando ou duplicando a si mesmas no ambiente.

Enquanto sensores de internet das coisas e dispositivos inteligentes proliferam e interagem conosco em áreas críticas, como Saúde e indústrias automotivas, eles ajudarão a simplificar – e talvez salvar – nossas vidas e melhorar as experiências dos clientes.

  1. Blockchain encontra o seu fundamento

A surpresa de 2016 será o ressurgimento da tecnologia blockchain e o seu refinamento ao ponto de que realmente encontrará seu lugar fora do livro de contabilidade do Bitcoin.

Blockchain era uma palavra-chave para muitas startups há dois anos e está pronta para renovação, quando olhamos para o crescimento da internet das coisas e necessidade de envolvimento seguro entre dispositivos.

Uma tecnologia como a blockchain, que depende de uma rede de computadores e tem a privacidade como elemento central, será um importante facilitador da internet das coisas e da transformação digital de qualquer organização, uma vez que simplifica ainda mais as operações para se ter mais agilidade e receptividade do cliente.

A tecnologia blockchain terá que superar sua “culpa por associação” aos problemas relacionados ao Bitcoin, mas há claramente a capacidade para se tornar a “bola da vez” para sensores e internet das coisas em geral.

Fonte: http://convergecom.com.br/tiinside

ABNT normatiza computação em nuvem

Entrou em vigor no último dia 7, a norma ABNT NBR ISO/IEC 17788:2015, que fornece uma visão geral sobre a computação em nuvem, assim como um conjunto de termos e definições sobre o tema. Trata-se da versão em português de um trabalho realizado em cooperação entre a International Telecommunication Union (ITU), que coordena padrões internacionais para telecomunicações, e a International Organization for Standardization (ISO), uma organização internacional para padronização.

No Brasil, esse trabalho ficou a cargo de equipes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Serpro e Anatel, que trabalharam juntas por cerca de dois anos.

Luiz Guilherme Aldabalde, analista da coordenação de Tecnologia do Serpro que participou das discussões sobre a norma, explica que a criação desse documento estabelece uma referência para definição sobre o escopo e a aplicação da computação em nuvem, auxiliando o desenvolvimento dos mercados nacionais de TI e servindo de apoio às agências reguladoras. “Toda vez que se estabelece um padrão sobre uma tecnologia fica mais fácil entender o assunto, avaliar as diferenças entre fornecedores e propor melhorias. Isso significa que uma norma passa a ser uma referência para aquisição ou elaboração de algum produto e para diferenciação entre os diversos fornecedores relacionados ao segmento”, avalia.

Aldabalde destaca que a participação do Brasil na elaboração de uma norma internacional desde seu início é um fato inédito, cujo mérito deve ser dedicado à ABNT como coordenadora do grupo nacional. “Nós do Serpro participamos deste trabalho desde o princípio, quando ainda estavam sendo iniciadas as atividades na ISO. Podemos dizer, sem sombra de dúvida, que o país teve uma participação efetiva na elaboração desta norma, analisando os documentos enviados, propondo novas definições, solicitando correções e tendo seu trabalho reconhecido através da incorporação das diversas contribuições apresentadas”, acrescenta o analista.

Arquitetura

Esta primeira norma é um conjunto de termos e definições que formam uma base para a elaboração da Arquitetura de Referência para Computação em Nuvem, uma segunda norma internacional sobre o tema, cujo trabalho de tradução já foi iniciado pela ABNT e deve ser concluído ainda em 2016. A proposição de uma Arquitetura de Referência para Computação em Nuvem, completa Aldabalde, permitirá a compreensão dos diversos elementos que compõem uma solução e como esses elementos interagem entre si, dando ainda mais clareza ao mercado de computação em nuvem.

Fonte: http://convergecom.com.br/tiinside

As dez principais tendências de business intelligence para 2016

O ano de 2015 trouxe mudanças significativas para o mundo do business intelligence (BI). Mais organizações abriram o acesso aos dados para seus funcionários e mais pessoas começaram a ver os dados como uma ferramenta importante para realizar seu trabalho.

As regras do BI estão evoluindo, e isso vem causando uma grande mudança cultural em alguns locais de trabalho, não só pela velocidade dos avanços tecnológicos, mas também por novas técnicas para extrair valor dos dados.

Todos os anos, na Tableau, paramos para conversar sobre o que está acontecendo de interessante no setor. Essa discussão é o fio condutor da nossa lista das principais tendências de BI para o ano seguinte. Veja as nossas previsões para 2016.

O início de uma grande amizade entre a governança e a análise de autoatendimento.

Para muitas pessoas, a governança e a análise de autoatendimento são inimigas naturais. Talvez seja por isso que vê-las andando de mãos dadas cause tanta surpresa. A guerra acabou e a lacuna cultural entre empresas e tecnologia está diminuindo. As organizações já sabem que a governança de dados, quando feita corretamente, pode incentivar uma cultura de análise e atender às necessidades dos negócios. As pessoas ficam mais propensas a analisar seus dados quando têm fontes de dados centralizadas, organizadas e rápidas; e quando sabem que alguém (equipe de TI) está cuidando da segurança e do desempenho.

A análise visual se torna um idioma comum.

Os dados estão mudando a forma de conversar – em salas de reuniões, na mídia e nas mídias sociais. As pessoas estão visualizando dados para responder a perguntas, descobrir informações úteis e compartilhar histórias com profissionais de todas as áreas, especialistas em dados ou não. Com o aumento da utilização dos dados, cada vez mais pessoas recorrerão a eles para responder a perguntas profissionais e pessoais. Da mesma forma, os empregadores buscarão pessoas que possam analisar os dados com uma visão crítica. A análise visual será o idioma que permitirá às pessoas descobrir informações úteis com rapidez, colaborar de forma significativa e criar uma comunidade voltada para os dados.

Os produtos de análise de dados estão mais democráticos.

As ferramentas de análise de autoatendimento mudaram permanentemente as expectativas. Em 2016, as pessoas buscarão autonomia no fluxo da análise de dados, especialmente com a chegada de mais membros da geração Y ao mercado de trabalho. Se quiserem continuar dinâmicos, os usuários corporativos devem ser capazes de manipular determinados dados instantaneamente. E é por isso que a demanda por ferramentas de preparação de dados de autoatendimento, e até mesmo por data warehouses de autoatendimento, crescerá como uma extensão natural desse tipo de análise. Essa democratização permitirá que as pessoas respondam rapidamente às mudanças de prioridades.

A integração de dados está ainda mais emocionante.

Atualmente, muitas empresas precisam de análises ágeis. Elas querem enviar os dados certos para as pessoas certas, rapidamente. Esse não é um desafio simples, porque os dados geralmente estão armazenados em vários lugares diferentes. Trabalhar com diversas fontes de dados pode ser tedioso, impossível ou ambos. Em 2016, veremos muitos concorrentes novos na área de integração de dados. Com o aumento da oferta de ferramentas sofisticadas e o surgimento de novas fontes de dados, as empresas desistirão de tentar reunir cada byte de dados no mesmo lugar. Os exploradores de dados se conectarão a cada conjunto de dados em seus respectivos armazenamentos, usando métodos e ferramentas mais ágeis para fazer as combinações ou uniões necessárias.

Análises avançadas não são mais apenas para analistas.

Em todas as áreas das empresas, mesmo os profissionais que não são analistas estão cada vez mais exigentes. Eles querem fazer mais do que um gráfico com seus dados. Buscam uma experiência de análise mais significativa e aprofundada. As organizações adotarão plataformas que permitem aos usuários utilizar estatísticas, fazer uma série de perguntas e continuar no fluxo de suas análises.

O armazenamento de dados e as análises na nuvem decolam.

Em 2015, as pessoas começaram a adotar a nuvem. Elas se deram conta de que colocar os dados na nuvem era fácil e extremamente escalonável. Também viram que a análise na nuvem era mais ágil. Em 2016, mais pessoas migrarão para a nuvem graças, em parte, a ferramentas que as ajudam a utilizar dados da Web. Os primeiros a adotar a nuvem já estão obtendo informações desses dados, e outras pessoas estão percebendo que deveriam fazer o mesmo. Cada vez mais empresas também usarão a análise na nuvem para explorar mais dados com mais rapidez. Esse recurso passará a ser tão importante para elas quanto qualquer outro sistema essencial da empresa.

Centros de Excelência em análise assumem um papel crucial.

Cada vez mais organizações estabelecerão um Centro de Excelência para incentivar a adoção da análise de autoatendimento. Esses centros desempenham um papel vital na implementação de uma cultura baseada em dados. Através de programas de capacitação, como fóruns on-line e sessões particulares de treinamento, os centros capacitam até mesmo profissionais de outras áreas a incorporar a análise de dados em seus processos decisórios. Ao longo do tempo, esses centros permitirão que os dados sejam a espinha dorsal de todo o fluxo de trabalho da organização.

A análise em dispositivos móveis ganha sua independência.

A análise em dispositivos móveis cresceu e saiu da casa dos pais. Ela não é mais apenas uma interface para os produtos de BI tradicionais. Em 2015, começaram a surgir produtos que, desenvolvidos com a abordagem mobile-first, ofereciam uma experiência fluida que priorizava dispositivos móveis. Trabalhar com dados em qualquer lugar deixará de ser um suplício para se tornar parte dinâmica do processo de análise. As pessoas começam a descobrir os dados da Internet das Coisas.

Tudo indica que a Internet das Coisas ganhará ainda mais terreno em 2016.

Parece que tudo terá um sensor que envia informações para a nave-mãe. Pense em todos os dados que são gerados ininterruptamente por dispositivos móveis – e isso é apenas a ponta do iceberg. À medida que o volume de dados da IoT cresce, o potencial para a descoberta de informações também aumenta. Empresas buscarão ferramentas que permitam aos usuários explorar os dados e, em seguida, compartilhar suas descobertas de forma segura, controlada e interativa.

Novas tecnologias surgem para preencher as lacunas.

Há diversas tecnologias novas em desenvolvimento no ecossistema de BI. À medida que elas chegarem ao mercado, veremos lacunas que precisarão ser preenchidas. Novas empresas surgirão para fazer exatamente isso. Aceleradores do Hadoop, integração de dados NoSQL, integração com dados da IoT, aprimoramento das mídias sociais – cada uma dessas áreas oferece uma oportunidade para o surgimento de uma nova empresa. Em 2016, essas lacunas serão cada vez mais preenchidas, resultando na consolidação do mercado. Da mesma forma, as organizações continuarão migrando de soluções únicas para adotar uma pilha de soluções abertas e flexíveis que incluam essas novas tecnologias.

Ellie Fields, vice-presidente de marketing de produtos da Tableau.

Fonte: http://convergecom.com.br/tiinside

Uso dos aplicativos móveis cresceu 58% em 2015

Estamos mais “viciados” nos aplicativos. É o que constata a nova pesquisa mundial da Flurry sobre consumo dos apps. O uso dos apps mobile cresceu de 58% em 2015 em relação ao ano anterior, sendo que 40% deles foram feitos por usuários antigos. O número de usuários que passaram a consumir mais aplicativos é alto se comparado com os últimos anos, 20% em 2014 e 10% em 2013.

Das áreas que mais tiveram crescimento, os apps de “personalização” se destacam com um aumento de 332% em 2015. De acordo com a análise, os usuários aderiram mais aos aplicativos de emojis e configurações de tela para serem usados em conversas no WhatsApp, Facebook Messenger, Line e Snapchat.

Outro setor com desempenho na casa dos três dígitos foi o dos aplicativos de “notícias e revistas”. Com 141% de aumento em relação a 2014, eles demonstraram uma mudança do consumo de conteúdo e notícias das TVs e PCs para smartphones e phablets.

Os aplicativos de produtividade aparecem com 119% de crescimento em 2015 ante 2014. A Flurry acredita que o principal motivo para o crescimento é a utilização de handsets como principal dispositivo dos estudantes do ensino médio e superior, pois a maioria utilizaria apps de e-mail e documentos como Gmail, Google Docs, Quip, Slack e Microsoft Office.

No entanto, o “sinal vermelho” acende para os games. O consumo de jogos em dispositivos móveis recuou 1% quando comparado ao cenário do ano anterior, mas eles podem ter uma oportunidade de crescer por meio de novos conteúdos para os phablets.

Phablet, o fator dominante

A categoria de celular com telas acima de 5,5 polegadas é considerada promissora pela pesquisa. Ela foi que mais cresceu em tempo de uso entre os dispositivos móveis, 334%, bem superior a média de 117% de tablets e smartphones de telas pequenas, médias e grandes;  além de responder por 27% dos handsets vendidos no período de festas.

Segundo a Flurry, o phablet deve se tornar o fator dominante da indústria mobile a partir do 1º trimestre de 2017, com 52% dos aparelhos no setor, seguido por 29% dos smartphones de tela média e pequena. Um dos principais fatores para o seu desenvolvimento deverá ser a adoção dos telefones de tela grande e seus apps por empresas de TV por assinatura.

Fonte: www.mobiletime.com.br